14 outubro, 2012

Acidez energética - Autoria: Teresa Cristina Pascotto


Acidez energética
Um alerta de Terapeuta Espiritual.
Autoria: Teresa Cristina Pascotto
.
.
.
.
Quanto mais uma pessoa desenvolve e equilibra seu corpo mental, sintonizando-o com a Consciência Divina e recebendo seu influxo de Luz e sabedoria, mais se torna alvo de vampiros mentais. Este tipo de vampiro é aquele que inveja e cobiça as capacidades mentais dos outros e nada faz para desenvolver suas próprias capacidades, mas passa a vida tentando se afinizar com pessoas que possuem um corpo mental mais evoluído. Este perigoso vampiro vive perseguindo seus eleitos e tem forte poder de sedução e persuasão, levando a pessoa que tem capacidades mentais mais evoluídas a se tornar seu hospedeiro. Quando consegue driblar as fracas defesas da pessoa de mente mais evoluída, ele se instala confortavelmente em seu novo "hotel-mental 5 estrelas".
A pessoa mental, quando muito envolvida e focada em seus processos mentais, acaba se isolando e se desconectando da realidade física, criando um lugar secreto, numa realidade paralela, onde vive experiências só suas. Ela se tona muito desatenta ao que acontece à sua volta na realidade física e não se protege nem se defende, o que a torna presa fácil de qualquer vampiro mental. É uma pessoa muito solitária, mas ela não liga muito para isso, pois tudo o que ela vive em seu mundo particular é extremamente gratificante, suas experiências mentais equilibradas sempre a levam para muito além, facilitando sua conexão com esferas mais elevadas de Luz e consciências. Isto é tão Divino, que ela acaba se afastando das pessoas e da realidade, ela não sente vontade de estar no mundo e não percebe o que está fazendo consigo mesma: cavando o buraco da solidão.
Porém, em determinados momentos, a pessoa mental se sente carente e se conecta com a "vida física", sentindo vontade de estar com as pessoas, mas quando se dá conta, não encontra ninguém com quem compartilhar experiências, interagir e viver bons momentos. Ela se afastou tanto, que quando "volta", não alcança os demais, pois estes se tornaram mais densos, se comparados com as frequências mais elevadas que ela alcançou. Quando toma consciência deste distanciamento, ela se entristece, sentindo o peso da solidão. A carência a vulnerabiliza e ela se abre demais para poder estar com alguém. O vampiro que estiver rondando-a sente a abertura e se aproveita para "entrar e se instalar" em seu corpo mental. A pessoa, em sua carência, está tão ávida de estar com alguém, que se ilude achando que a energia do vampiro "encantado com seu corpo mental", é uma energia de carinho, quando na verdade é uma energia de interesse. O vampiro não quer apenas a energia vital da pessoa, mas quer o máximo que puder sugar de seus "poderes mentais".
Em seu desenvolvimento, o corpo mental desta pessoa tornou-se um perfeito hospedeiro cheio de condições favoráveis ao crescimento, tornou-se o paraíso dos vampiros mentais, que se alimentam de todo o saber e conhecimento dapessoa mental, e das condições energéticas que ela criou para se manifestar no mundo - ela não usa essas condições, pois não se importa muito em "ter", apenas se envaidece e se encanta com o "saber criar". Os vampiros não fazem nenhum esforço, apenas se instalam e extraem tudo o que precisam - planos, ideias, informações, projetos, recursos, energias mentais que tem o poder da precipitação -, e utilizam tudo, criando novas condições e possibilidades em sua própria vida, promovendo grandes mudanças, enquanto a pessoa mental é apenas a fonte inesgotável de recursos, que assiste os vampiros se erguendo e se realizando, às suas custas, enquanto sua própria vida está paralisada.
Quanto mais esta condição se estende na realidade da pessoa mental, mais ela se torna solitária e isolada, pois não conquista amigos e parceiros, mas apenas vampiros hospedados em seu mental, que se sentem verdadeiros donos de sua energia mental. É extremamente difícil retirar esses vampiros da mente. A pessoa mental torna-se resignada a essa circunstância e abre mão de suas defesas, tornando-se mais vulnerável.
Chega um ponto de saturação em que a pessoa mental já perdeu muitos dos recursos que criou para sua vida e não consegue modificar e criar absolutamente nada em sua realidade, ela apenas consegue se sentir melhor e mais equilibrada, porém, estagnada. Isso a leva ao ressentimento e à raiva, provocando uma explosão de ódio. Nessa explosão ela consegue arrancar alguns vampiros e se sente um pouco mais leve. Mas como não se preocupa em criar defesa e proteção, logo os vampiros retornam e com mais poder.
A pessoa mental passa por vários ciclos de resignação e de explosão, mas nunca consegue expulsar seus hóspedes e nunca consegue se realizar. Apesar da dor, ela desconsidera tudo e volta seu foco para o plano mental, tornando-se excessivamente alheia à vida.
Prosseguindo em seu processo de crescimento, é chegado um ponto em que finalmente a pessoa mental toma consciência plena dessa dinâmica oculta em que vive e consegue enxergar, com muita clareza, que seu ego está distraindo-a e deixando-se atacar e invadir. Ela percebe, finalmente, que sempre permitiu e favoreceu a todos - que lhe eram "gratos por sua hospedagem perfeita"-, porque isso lhe trazia a falsa sensação de ser "amada" e de "estar inserida no mundo". Isso lhe traz muita dor e amargura.
Com a tomada de consciência, a pessoa mental resolve criar condições para sua verdadeira libertação, expulsando todos os vampiros de seu corpo mental. Ela percebe que não dá mais para usar os velhos recursos: alienação e resignação ou fúria e explosão. Ela começa a se dedicar em gerar e utilizar seus recursos divinos para criar uma "arma" que extermine todos os parasitas que estão em sua mente. Aqui não há explosão ignorante, mas o acesso à sabedoria interior que traz à pessoa mental um poderoso recurso para eliminar os vampiros: com toda a amargura e dor da constatação da realidade, a pessoa não explode de raiva, mas torna-se ácida. Sentindo e aceitando essa acidez, ela poderá usá-la intencionalmente. Ela precisará desejar intensificar essa acidez, para que esta se potencialize, criando uma grande onda ácida que lavará todos os recônditos ocultos de sua mente onde seus parasitas se abrigam. As ondas conscientes de ácido penetrarão todos os lugares de seu mental. Este "ácido", não faz mal à pessoa mental, pois é seu "exercito de salvação". O vampiro que não quiser ter sua energia dilacerada com esse ácido deverá sair rapidinho do corpo mental do hospedeiro. Ao ser tocado pelo ácido, o vampiro será contaminado e tudo o que ele "tirou e sugou" da pessoa mental lhe será extraído, e todos os seus tentáculos energéticos que estavam aferrados ao corpo mental da pessoa, serão dizimados. Este ambiente mental mais ácido deverá ser mantido por um tempo, até que isso vibre em informação (sem acidez), deixando claro para os vampiros que se tentarem se aproximar e invadir novamente, serão exterminados. Aqui nascerá o respeito dos vampiros, que se afastarão, pois saberão que a "fonte do saber" se tornou perigosamente ácida.
.
.
.
Autoria: Teresa Cristina Pascotto
Email: crispascotto@hotmail.com
Fonte: Site Somos Todos Um   (13/10/2012)
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários moderados. Participações ofensivas ou anônimas não serão publicadas. Gratidão, Paz e Luz!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...