29 outubro, 2011

Há algo mais... Um Amor. Uma Luz... (Carta para um Médico que chora uma grande saudade) - Canal: Wagner Borges


Há algo mais... Um Amor. Uma Luz...

(Carta para um Médico que chora uma grande saudade)
Canal:  Wagner Borges

.
Não, eles não morreram!
Podem ter sumido à percepção do sentidos do corpo...
Mas, quem disse que a medida dos sentidos humanos é a medida do universo?
E, aquilo que se sente no coração, pode ser medido por qual parâmetro da mente?
Ah, que médico patologista dissecou algum espírito em suas autópsias?
O que pode ser dissecado é só o corpo, jamais a consciência.
E o Amor, então? Quem pode limitá-lo ou quantificá-lo? E quem é craque nisso?
Eu não posso dissecar um espírito para você, nem prendê-lo numa garrafa.
Nem posso lhe dar o discernimento espiritual necessário para você sentir algo...
O que posso lhe dizer é sobre a certeza que trago em meu coração.
E isso eu não aprendi em nenhuma doutrina, não. É um estado de consciência.
Sou um espírito e você também! E, nesse momento, estamos aqui na Terra.
Estamos com cara de gente e andando pelo mundo, na condição de homens.
Mas, quem disse que somos só isso?... Não, não, nossa cara real não é essa.
Não somos brancos ou negros; nem amarelos ou vermelhos; nem altos ou baixos.
Ah, temos a cara das estrelas! E a nossa raça é a da Luz, como tudo no universo.
E como é que você espera descobrir isso dissecando um cadáver?
Que tal descobrir isso no olhar de alguém querido? Ou olhando um pôr-de-sol?
Ou, simplesmente meditando e refletindo; ou sentindo seu coração...
Contudo, não me peça uma técnica para isso; não é questão de dissecação.
Tem mais a ver com o que se sente, e não se explica. Algo a mais...
E não espere um espírito se materializar diante de você para tirar suas dúvidas.
E nem a morte chegar para pensar nisso, porque você não sabe quando partirá...
E nem pense que o universo está preocupado com o que você acha das coisas.
O lance é com você mesmo. E o seu despertar beneficia a quem mesmo?
Há algo mais... Um Amor. Uma Luz. E isso não se vê com os olhos do corpo.
O seu bisturi é bom para cortar carne, mas nada resolve quando o lance é a Luz.
Por acaso, você espera encontrar, numa cirurgia, o Amor dentro do coração?
Ou ver o brilho das estrelas nos olhos de alguém num exame oftalmológico?
Ou, quem sabe, achar uma consciência numa cirurgia de crânio aberto?
E o que uma trepanação craniana teria a ver com iluminação espiritual?
Não, não. Para achar a Grande Luz, só com alguma Luz iluminando a jornada.
Para falar de Amor, só com o coração; pois só quem ama é que sabe...
Você poderá carregar seu ceticismo e suas dúvidas, mas não para sempre.
Em algum momento, na Terra ou além, você saberá. E isso é com você mesmo.
Estamos aqui na Terra, mas só por um tempo... E depois, algo mais...
Por enquanto, faça o seu melhor. Cure os outros com sua técnica médica.
E no trato particular, de algum jeito, cure suas emoções e seus pensamentos.
Você é médico dos homens, não da alma; e o seu saber tem limites e condições.
Ajude os seus pacientes e fique feliz com isso; cumpra bem sua missão.
Mas não pretenda que o seu saber lhe revele os mistérios da Luz no corpo.
Para isso, precisa de algo mais... Um Amor. Uma Luz.
E isso não se aprende em lugar algum da Terra. É estado de consciência.
E nem precisa morrer para descobrir isso. É coisa que se sente...
E eu comecei esse papo dizendo-lhe o seguinte: eles não morreram, não.
E, agora, continuo dizendo-lhe a mesma coisa: eles não morreram!
Então, escute com seu coração; talvez os seus amigos estejam cantando algo...
Lá do Astral que não se vê com os olhos do corpo -, eles o veem, sim.
E sabem o quanto você os amava. E o quanto a saudade aperta o seu coração.
No entanto, eles também sabem que você é um espírito e que há algo mais...
Sabem que por trás dessa aparência de médico durão está um homem de bem.
Sim, eles sabem que você olha para o céu estrelado e chora quietinho.
E que, às vezes, quando a saudade aperta mais, você quer ir embora também.
Sim, eles sabem de seus acertos e erros, pois o conhecem muito bem.
Sabem que você perdeu sua fé e se deixou levar por diversas ilusões.
Ah, eu não posso lhe provar nada, a não ser isso que estou lhe dizendo aqui.
Como eu poderia lhe dizer o que eles me contaram, em espírito e verdade?
Algo que escutei com os sentidos espirituais, além dos barulhos do mundo.
Como lhe dizer que sua fé ainda está aí, debaixo dessa sua capa de orgulho tolo?
E que o Amor ainda fala com você, mesmo que sua arrogância não lhe deixe ver?
Você se anestesiou espiritualmente, mas quem disse que seu coração aceitou?
E agora, o que fazer com essa saudade? Como operar algo assim, não físico?
Não, eu não tenho como lhe provar nada. Eu só sei desse seu choro secreto.
E que seus amigos não morreram! E que, lá do Astral, eles vibram por você.
Porque a morte não mata as amizades verdadeiras, que são de alma.
Nem apaga o Amor real, que viaja por entre os planos, de coração a coração.
Ah, o que posso lhe dizer mais, que não seja essa certeza que está em meu peito?
E que eu lhe envio por intermédio dessas palavras grafadas aqui.
Quem sabe, se você as ler com o coração, talvez compreenda algo mais...
Sim, algo mais... Um Amor. Uma Luz.

P.S.:
Eu não sou doutor em coisa alguma.
Mas sei do seu choro que ninguém mais sabe.
E foi você que me consultou, lembra-se?
E o meu diagnóstico é esse aqui:
Use o bisturi espiritual e corte o seu orgulho.
A morte toda hora lhe rouba vários pacientes.
E você nada sabe do que rola depois com eles...
E a morte também lhe roubou amigos preciosos.
Então, recupere sua fé e se cure.
E nunca deixe de olhar o céu estrelado.
Mas veja com o coração para sentir algo mais...
Talvez, o Amor de seus amigos, algures...
Ou o toque do Grande Espírito nas estrelas.
O mesmo toque sutil - que toca você através da vida.
Continue sendo o excelente médico que você é.
E agradeça a Deus por sua missão de curar.
Pois, se você é médico do corpo, Ele é Médico da Alma.
E lembre-se: eu não sou doutor em nada!
Eu só sei dessa certeza que trago em meu coração.
Que me faz sentir e escrever, novamente...
QUE ELES NÃO MORRERAM!
.
Paz e Luz.


Wagner Borges  
(Mestre de nada e discípulo de coisa alguma)
São Paulo, 08 de Outubro de 2011.

.
- Notas:
Esse texto fará parte de um novo livro sobre vida após a morte que publicarei daqui a alguns meses (com diversos textos alusivos à temática da imortalidade da consciência).
Obs.: Esses escritos estão direcionados especificamente para um médico (que, naturalmente, tem o seu nome e condição preservados aqui), mas o seu conteúdo poderá ser útil para reflexões de outras pessoas. Então, disponibilizo-o em aberto para todos.
Esclareço, ainda, que sou amigo de vários médicos em sua maioria, estudantes de temas espirituais também, que romperam suas limitações técnicas e ampliaram o discernimento para outras consideracões além da Medicina convencional.
Enquanto eu passava essas linhas a limpo, lembrei-me de um dos textos inspirados do grande filósofo brasileiro Huberto Rohden. Deixo o mesmo na sequência, como complemento desses escritos que fiz hoje.
.
.
Quando eu era meu

Autoria: Huberto Rohden 
.
Quando eu era ainda meu,
Não era de ninguém.
Era escravo de tudo que chamava "meu",
Porque o meu pequeno eu despertara,
Tirânico,
E meu grande EU dormia
O sono da ignorância.
Muitos objetos envolviam
O meu sujeito,
Assim como as grades do cárcere
Circundam o prisioneiro.
E eu chamava "meus"
Esses objetos em derredor.
Cuidava possuir esses objetos,
Mas era por eles possuído.
E eles me vedavam o egresso
Da prisão do meu ego
E o ingresso
Na liberdade do meu EU.

Nesse tempo não sabia eu
Que o grande EU
É o melhor amigo do pequeno ego,
E que o pequeno ego é o pior inimigo
Do grande Eu.
Jamais olhara para além das fronteiras
Do ego humano,
Esse objeto visível,
E por isto, ignorava, ignorantemente,
Meu EU Divino,
Esse sujeito invisível.
Eu pertencia totalmente
A mim mesmo,
Ao meu ego conhecido,
E, por isto, era a minha vida estreita,
Como um casulo em que dormia
A borboleta do meu Cristo interno.

Finalmente, graças ao bafejo solar
Da graça,
Deixei de ser casulo inerte...
Rompi as paredes de seda do meu ego,
Porque empecilho me era hoje,
O que auxílio me fora ontem.
Expandi as asas na luminosa amplitude
Do amor universal,
Para cima,
Para os lados,
Para baixo,
Envolvendo em suave benquerença
Todos os mundos de Deus,
Depois que o Deus dos mundos
Me vitalizou com seu Amor...
.
.
(Texto extraído do inspirado livro Escalando o Himalaia, uma das grandes obras do genial filósofo brasileiro Huberto Rohden, Editora Martin Claret.)
Obs.: Ver a coluna dedicada a Huberto Rohden em nosso site, na seção de Multimídia, no seguinte endereço específico:  Clique aqui
.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...